Ir para o conteúdo principal
notícia

Sean Penn e a ética da Inteligência Artificial em Hollywood

por 15 de setembro de 2023#!30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:005730#30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:00-1Europe/Rome3030Europe/Romex30 09pm30pm-30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:001Europe/Rome3030Europe/Romex302024Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200001004pmTerça-feira=3831#!30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:00Europe/Rome4#Abril 9th, 2024#!30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:005730#/30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:00-1Europe/Rome3030Europe/Romex30#!30Ter, 09 Abr 2024 13:00:57 +0200+02:00Europe/Rome4#Sem comentarios

Sean Penn e a ética daInteligência artificial em Hollywood

O famoso ator Sean Penn não hesitou em expressar sua opinião bastante polêmica sobre o uso da Inteligência Artificial na indústria cinematográfica. Numa entrevista à Variety, o ator vencedor do Oscar destacou criticamente uma questão que muitos tendem a ignorar: a moralidade do uso de tecnologias avançadas, como a IA, em Hollywood.

Consentimento dos atores e propriedade da identidade

Um ponto focal da palestra de Sean Penn é o consenso, ou a falta dele, no uso da aparência e das vozes dos atores por meio de tecnologias de Inteligência Artificial. O ator afirma firmemente que os estúdios de cinema não deveriam ter o direito de usar imagens e vozes de atores sem obter permissão explícita.

A comparação desconcertante e a questão moral

Para tornar seu argumento ainda mais incisivo, Penn fez uma provocação bastante perturbadora. Ele hipoteticamente pediu permissão para utilizar os dados digitalizados da filha de seu interlocutor para criar uma réplica virtual dela, com o intuito de utilizá-la em ambiente virtual como objeto de entretenimento. Sua pergunta retórica destaca uma “falta de moralidade”, palavras com as quais descreve as ações de estúdios que utilizam dados de atores sem consentimento.

Um problema maior: a desumanização através da Inteligência Artificial

A postura de Sean Penn não é isolada; faz parte de um debate mais amplo que envolve não apenas Hollywood, mas toda a sociedade. Estamos a entrar numa era em que a tecnologia pode efetivamente “clonar” aspectos da nossa identidade. Isto levanta uma série de questões éticas e morais que vão muito além do simples uso não autorizado de imagens. Vai ao cerne do que significa ser humano num mundo cada vez mais dominado por máquinas inteligentes.

Conclusão: Sean Penn e a ética da Inteligência Artificial em Hollywood

A reflexão de Sean Penn serve de alerta para uma questão que se torna cada vez mais relevante no nosso mundo digitalizado. A ética no uso da Inteligência Artificial não é uma questão que possa ser relegada a filósofos ou especialistas em tecnologia, mas diz respeito a todos nós. É hora de enfrentar esses problemas de frente, munidos de consciência e de um forte senso de moralidade.

Com estas palavras, Sean Penn abre um capítulo importante no debate sobre como a tecnologia deve servir a humanidade, em vez de explorá-la. E embora o diálogo sobre estas questões cruciais apenas tenha começado, uma coisa é certa: não é um tema que nos possamos dar ao luxo de ignorar.

Deixe uma resposta

Selecione sua moeda
EUR Euro