Ir para o conteúdo principal
GoogleMóvelwhatsapp

Google, Facebook e Twitter não colaborarão com a China

por 9 de julho de 2020Sem comentarios

Google, Facebook e Twitter não cooperarão com a China por enquanto.

Os três gigantes Google, Facebook e Twitter não fornecerão às autoridades os dados dos usuários de Hong Kong, que cumprem os regulamentos de Pequim desde 1º de julho.

Um novo está em vigor desde 1 de julho Lei de segurança que, de fato, põe fim ao princípio "um país, dois sistemas"; o que até agora tinha permitido Hong Kong ter uma autonomia muito ampla em relação a Pequim e dar-se normas liberais muito distantes da ferocidade daqueles que governam a China.

A reforma estava à vista há vários meses e esteve na origem dos protestos que inflamaram o território autônomo em 2019.

Hoje, de fato, o Autoridades de Hong Kong eles têm que responder diretamente a Pequim. Aplicam-se os mesmos princípios de presunção de culpa que fazem da China um dos regimes mais autoritários da face da Terra.

Neste contexto, Google, Facebook e Twitter anunciaram a sua intenção de suspender a colaboração com as autoridades locais, pelo menos por enquanto. Isso significa que, se a polícia solicitar, as empresas em questão não fornecerão dados sobre seus usuários - como seus logs, suas conversas privadas e seu histórico de localização GPS.

um porta-voz do Google disse ao The Verge. Twitter e Facebook, escreve o NY Times, explicaram que farão o mesmo.

Os três gigantes da tecnologia – mas praticamente todas as empresas do Vale do Silício – não podem operar dentro da China. Hong Kong, graças ao seu status excepcional particular, até junho passado sempre esteve fora do chamado "Ótimo firewall“: Os cidadãos eram livres para usar qualquer serviço ocidental.

A nova lei de segurança elimina efetivamente qualquer possibilidade de crítica ao governo e ao Partido Comunista Chinês.

O Twitter também contesta a clareza da Lei de Segurança, apontando o dedo para a imprecisão de muitos artigos.

Em vez disso, o Facebook disse acreditar que a liberdade de expressão é "um direito humano fundamental". A mídia social também explicou que ao receber solicitações das autoridades, além do cumprimento das regulamentações locais, também avalia o cumprimento do direito internacional e dos direitos humanos.

Deixe uma resposta