Ir para o conteúdo principal
notícia

Inteligência Artificial em Vulcanologia

por 11 de setembro de 2023Sem comentarios

Inteligência artificial em Vulcanologia

O mistério que envolve os reservatórios de magma dos vulcões tem sido uma questão não resolvida no campo da vulcanologia. Compreender onde estes reservatórios estão localizados é vital para prever futuras erupções e a sua intensidade potencial. Um grupo de pesquisadores da Universidade de Florença deu um passo significativo nessa direção, desenvolvendo uma aplicação baseada em inteligência artificial, chamada GAIA (Geo Artificial Intelligence thermobArometry), que é capaz de prever a profundidade de reservatórios magmáticos.

Erupção do vulcão Tungurahua à noite, com neve, Equador

A importância de compreender a profundidade dos reservatórios magmáticos

Segundo Simone Tommasini, professora de Petrologia e Petrografia da Universidade de Florença e coordenadora da equipe de pesquisa, a profundidade dos reservatórios magmáticos é uma variável crucial para avaliar a perigosidade de um vulcão. Esses reservatórios são ressonadores de pressão e temperatura e sua posição pode mudar com o tempo. Contudo, obter esta informação diretamente do subsolo é extremamente difícil e requer novos métodos de investigação.

GAIA: um avanço na análise de vulcões

GAIA é uma ferramenta de análise avançada que utiliza inteligência artificial e dados sobre a composição química de minerais chamados clinopiroxênios, comumente encontrados em rochas vulcânicas. Através desta análise, o GAIA consegue determinar a pressão e a temperatura, e portanto a profundidade, das câmaras magmáticas de onde provêm estes minerais. Esta ferramenta representa um avanço significativo em comparação com os métodos de análise tradicionais utilizados em vulcanologia.

Metodologia e Verificação de Dados

Lorenzo Chicchi, doutorando do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Florença e primeiro signatário do artigo na revista Earth and Planetary Science Letters, explicou que a metodologia por trás do GAIA foi desenvolvida em duas fases. Inicialmente, o sistema foi treinado em uma parte do banco de dados existente e depois sua precisão preditiva foi testada no restante do conjunto de dados. O resultado? GAIA superou os métodos de análise tradicionais em precisão.

Aplicação Prática: Estudos sobre Cinco Vulcões Italianos

O GAIA foi aplicado ao estudo de cinco vulcões italianos ativos: Etna, Stromboli, Vesúvio, Vulcano e Campi Flegrei. Os resultados foram extraordinários, revelando detalhes sobre a estrutura dos reservatórios de magma destes vulcões ao longo de toda a sua história eruptiva.

Perspectivas Futuras e Implicações de Segurança

Os professores Duccio Fanelli e Luca Bindi, do Departamento de Física da Matéria e Mineralogia da Universidade de Florença, concluem com otimismo. Eles esperam que o GAIA, sendo uma aplicação gratuita, se torne uma ferramenta de trabalho essencial no campo da vulcanologia. A ferramenta poderá ajudar a recolher dados robustos que serão úteis para avaliar os riscos associados às erupções vulcânicas, prestando um grande serviço à comunidade científica e à sociedade como um todo.

Usando palavras-chave como “Inteligência Artificial”, “Vulcanologia“, “Pesquisa Científica”, “Universidade de Florença”, “GAIA” e “Reservatórios Magmáticos”, este blog é otimizado para SEO e deve atrair um amplo público interessado nestes temas.

Deixe uma resposta